5 de fevereiro de 2009

Amor platónico


Já tanto se disse sobre esta estranha forma de amar....
Mas se fecharmos os olhos e voltarmos até aos nóssos tempos de adolescentes, iremos constactar que os amores platónicos foram das coisas mais importantes que marcaram esta etapa tão controversa da nossa vida!
Quem é que nunca teve uma paixão desmedida?
Quem é que nunca amou com todas as suas forças sem olhar aos defeitos do ser amado?
Quem é que não passou horas a sonhar com aquela pessoa que tem tanto de inatingível como de maravilhosa?!
Eu passei! e por hoje ter me lembrado disso resolvi escrever este post.
Na minha opinião, um amor platónico torna-se desmedido e muitas vezes sufocante, porque a pessoa que o sente ou não tem coragem de o revelar ou simplesmente sente medo de falar por achar que ninguém vai compreender os seus sentimentos.
Um receio inconsciente de desconfirmar todas as crenças construidas em volta daquela pessoa.
É uma forma muito peculiar de amar sem pedir nada em troca, sem observação de defeitos.
Traduz-se assim por um quadro edializado que pintamos apenas com as cores que queremos.
Uma tela solitária onde se desenha algo improvável.
Eu já vivi ha muito tempo um sentimento assim e hoje sinto-me muito mais completa vivenciando um amor correspondido.
Mas não poderei nunca deixar de recordar algo que em tempos me marcou profundamente.... Um tempo que ainda hoje me faz sorrir e recordar.
Não quero com isto dizer que só os adolescentes sentem amores platónicos.... eles podem estar presentes em qualquer idade, mas normalmente é na adolescência, períudo de descoberta e construção de identidade que isto acontece.
E vocês têm alguma história de amorplatónico que hoje vos faz recordar e até sorrir? .

video

23 comentários:

lau disse...

Olá Petra:

Realmente tens razão quem não viveu um amor planónico... Também vivi o meu, e quantas vezes me ri-o pensando nas coisas que fiz e pensei desmedidamente...
Beijo

Petra Pink disse...

Lau

Um amor platóico é sempre nescessário principalmente na adolescencia, faz parte da vida das descobertas e da nossa construção de identidade...
Mas não ha nada melhor que um love correspondido... aí as descobertas são melhores e partlhadas.beijinhos

Ricardo disse...

Não me dou bem com este tipo de amor.
Na adolescencia talvez, tenha tido algumas paixonetas deste tipo.
Actualmente, gosto do amor sincero, puro, realista e muito consciente!

Beijo

Petra Pink disse...

Ricardo
Tens razão actualmente também não me daria nada bem com esta estranha forma de amar!
É maravilhoso amar e ser amado sentir que do outro lado existe aquele sentmento que nos conforta, tráz segurança e felicidade.
Mas claro na adolescência faz parte porque é uma forma de descoberta de nós mesmos.
beijo

Saltos Altos Vermelhos disse...

Depende da altura da vida!!!!

Anónimo disse...

Amor platónico e paixão desmedida são coisas diferentes embora em ambos haja idealização da pessoa amada. No platónico há distancia e por vezes o alvo da nossa paixão desconhece esse facto enquanto no amor desmedido a paixão é consumada mas cada acto de amor incendia mais um fogo que arde e é bem visível.
Cão Sarnento

Petra Pink disse...

Cão sarnento, concordo com o que dizes, mas um amor platónico e uma paixão desmedida podem estar juntos no mesmo pacotinho...
beijinhos

Karlytus disse...

recordo-me de ter uma granda pancada por uma professora minha.. hehehe sempre fui um menino mto precoce.. looool

beijinhos azuis e um fds feliz!

Petra Pink disse...

Olá Karlytus! aiaiaiai nem fales nisso o múnico amor platónico que tive foi por um prof...
Mas ele era quase da minha idade, antes de professor e aluna já eramos bons amigos e passado algum tempo e depois de uma história mirabulante esse amor deixou de ser platónico para passar a ser correspondido!!
Ui foi das coisas mais bonitas q aconteceram na minha vida eeeee ainda hoje ele é para mim algo muito especial.
Beijinhos cor-de-rosa choque para ti e um bom domingo!

Anónimo disse...

Paixões por profs são paixões pela paixão em si mesma, amar o amor, experimentar a força dum sentimento novo por alguém que vemos todos os dias sem esforço, alguém que expõe a sua personalidade por dever de ofício, que podemos contemplar longamente sem que se torne excessivo...
Cão Sarnento

Aprendiz disse...

Recordo-me perfeitamente... andava há bastante tempo com ela, mas nenhum de nós sabia... :D
~
(falando sério)

Inicialmente o amor platónico estava centrado no carácter e na inteligência, e não nos atributos físicos. Platão falou disso relativamente ao amor entre Sócrates e um seu discípulo; amor homossexual, neste caso (situação normal nos gregos). De facto, o amor platónico é hoje visto como como um amor à distância.

Quanto a mim, do primeiro nunca sofri, sou heterossexual. Do segundo, recordo-me que me apaixonei por uma actriz que desempenhava uma personagem irresistível para um miúdo de 10 anos. Infelizmente não havia net, email ou telemóveis. Este amor estava condenado desde o início. Mas eu tentei... :D

Petra Pink disse...

Cão sarnento
Concordo contigo...
Beijinhos!

Petra Pink disse...

Aprendiz

Imagino que com 10 anos sem net e tlm apaixonado por uma actriz, deves ter sofrido muito! lololol...
Mas tudo faz parte não é?
beijinhos e volta sempre!

Mais um homem... disse...

Eu tenho um amor platónico, já o vivi fisicamente mas perdi-a pois fui cobarde numa altura em que ela tanto precisava de mim. Sorrio quando penso que a amava tanto, choro porque já não a tenho. Mas continuo a amá-la.
Amor já vivido e presentemente impossível pode ser considerado platónico?

Petra Pink disse...

Mais um homem
na minha opinião o amor que viveste começou platónico mas deixou de o ser quando começaste a vivencá-lo fisicamente.
é aquilo que penso...
beijinhos e volta sempre

Anónimo disse...

se os amores platónicos não existissem mais tarde não teriamos bons momentos ao recorda-los.
fazem parte da vida e é com eles que aprendemos muitas coisas ;D

Nicole

Petra Pink disse...

Nicole ora aí está uma afirmação bem sábia!
tudo na vida faz parte e muitas coisas acontecem para nos mostrar melhor o caminho para o surgimento de novas fases na nossa vida.
beijo

Di disse...

Olá kiduxa!! Tens td a razão eu acho q viver um amor platónico é isso mesmo viver.. isso acontece quase sp na adolescencia, pq nos sentimos mais carentes e o alvo desse amor platónico nos preenche as medidas e nos dá a atenção q nós tanto queremos. Mas o mais giro de viver esse amor é a recordação, os sorrisos e algumas gargalhadas q se sentem qd actualmente se pensa nisso!!!
Kisses p ti

Petra Pink disse...

Pois pois Di bem me lembro das nossas conversas sobre isso quando eramos adolescentes...
tanta coisa mudou desde aí. bjo pa ti

Sanxeri disse...

Eu ja amei (e amo) com tanta força que pus de lado os defeitos dele. Hoje pago por esse erro. :)


Um beijinho Petra

Petra Pink disse...

Sanxery, Pois as vezes sofremos as consequencias dos nossos sentimentos....
Mas não podemos mandar no coração
beijo grande

Anónimo disse...

eu ja vivi e ainda vivo um AMOR PLATONico
já faz 3 anos nunca tive cpragem de chegar e duzer tudo que sintoo mais dexo o tempo resolver tudo pra mim e quem sabe um dia o meu amor sejá substituido por alguem que gosti de mim de verdadee adorei td iso que está escritoo ai

anf disse...

Acho que toda a gente viveu, e quantas vezes me rio do meu comportamento parvo, embora na altura o achasse adequado.
bjo