1 de março de 2011

Cansativo...

Muitas vezes é esgotante ter de estar sempre a ouvir os outros...
Calma não me refiro ao meu trabalho, amo o que faço, e acho até que cada dia gosto mais disto!
Refiro-me A algumas almas, que por acharem que tenho de ser terapeuta 24 horas por dia, muitas vezes quererem despejar-me os seus problemas quando bem entendem.
A velha e errada ideia de que um psicólogo não tem chatices, resolve tudo num ápice e que por isso, tem de ter sempre espaço para mais uma queixa, mais um choro, mais um lamento.
Julgarem que a qualquer hora e porque o seu problema é o maior do mundo, tem de haver terapia naquele minuto e porque sim.
Sempre deixei claro, que um conselho dado numa fase de crise, e por preocupação, é algo que faz parte da nossa vivência social e que nada disso tem a ver com o facto de se ter constantemente, "só porque se tem esta profissão" de estar sempre disponivel, passar horas a ouvir, e a aconselhar.
O facto de acharem que - Ah e tal, ela está habituada, ela faz isso no trabalho e até gosta, por isso posso ligar, posso pedir, posso chatear...
Ela não se incomoda...
Sim Incomoda-me, principalmente pelo número de vezes... pelo abuso.
Pelo facto de as vezes ligarem e antes de perguntarem está tudo bem... Dizerem: - Ai preciso tanto falar contigo!
Nem imaginas o que me aconteceu... e apartir dali um chorrilho de queixas intermináveis.
Pensam inocentemente, - pois ela está afinal a fazer o que faz o dia todo qual o stress?
Não... não estou.
As pessoas que acompanho em psicoterapia, não as conhecia, a relação que temos é terapêutica, com elas, há uma aliança terapêutica e uma das bases é a neutralidade.
E isso faz uma grande diferênça.
Portanto esgota-me o abuso, o facto de acharem que tenho de fazer milagres, dar respostas para tudo e o pior seja lá a que hora for.
Para além de que quando não lhes é dito aquilo que realmente querem ouvir... ainda respondem... - Oh já vi que hoje não estás nos teus dias! Oh achas mesmo! credo!
E não não falo dos meus amigos...
Esses felizmente conhecem essa diferença, percebem que uma amizade é uma troca social, uma partilha de tudo, sejam problemas, risadas, lágrimas.
E sim quando preciso, porque às vezes preciso, estão la para mim.
Falo de pessoas que por uma razão ou outra têm o meu contacto, ou vivem perto, ou ... trabalham comigo... E que de repente... acham que posso por elas descobrir a pólvora, e arranjar-lhes cura para todos os males.
E vocês dirão: - ora Petra, põe um ponto final nisso não atendas, não ouças...
Sim... já estou a fazê-lo...
Chega foda-se.

17 comentários:

pink poison disse...

Tens razão mas olha que quem o faz, talvez nem pense no que te está a fazer... Beijoca

Mokas disse...

ahhh Petra!
agora que falas nisso,
tenho aqui uma questão. Ajuda-me lá a resolver. Então eu estava tipo no trabalho e tal e nisto acontece uma cena e então não é que tipo o gajo coiso e depois já tás a ver né? e nisto aparece a gaja e não sei quê e depois às tantas estavam os dois e tal e coiso e eu no meio disto fiquei assim naquela tás a ver? e depois viraram-se para mim e não sei quê! e eu disse epah não posso fazer nada e tal tipo é mesmo assim mas achas que eles ficaram satisfeitos? nada disso e então pumbas e tal e...
pronto agora não sei o que faça.
o que é que achas que faça?
ohhh petrinha vá lá ajuda-me nisto
=P

Inês disse...

Ora aí está.Há terapias e terapias.
E nunca tens que concordar com o que a pessoa diz.

Nina disse...

Com um terapeuta por casa, percebo bem esse teu cansaço.
Faz como ele, desliga o telemóvel por uns tempos.
bji gde

Poetic GIRL disse...

Temos que aprender a dizer não, eu estou a aprender e olha não custa tanto assim! bjs

dinona disse...

Começa a cobrar :)
Vais ver que esses abusos cessam logo.
Só de pensar que têm de gastar dinheiro arrependem-se logo!

Brown Eyes disse...

Vim dar-te um beijinho, já há um tempinho que não passava aqui. Quanto ao dizer não, sabes que sou perita em dizer o que penso. Aprendi a não fazer sacrifícios porque sempre que os fiz arrependi-me. Faço o que me apetece e estou a marimbar-me para o que pensam ou dizem. Faz o mesmo. Vais-te sentir melhor.
Beijinhos

S* disse...

Chama-se a isso egoísmo. Não admitas.

Ana disse...

Uiii santa paciência!!
Começas a cobrar e das duas uma: ou aumentam os euros na carteira ou diminuem as queixas, que é o mais certo! :-P

Sara* disse...

Pois linda existem algumas profissoes que dão asos a isso, um advogado passa a vida a dar concelhos juridicos a amigos ou conhecidos, um psicologo a mesma coisa, olha eu nao sou uma coisa nem outra e tenho pessoas que me ligam para falar de problemas e acham que eu nao os tenho, e que tenho de estar sempre ali para ouvir, ate na minha hora de jantar, ainda ontem, e eu edigo que estouya jantar, dizem que é so um minuto e o r acaba a jantar sozinho e eu a bufar...
Tambem ja disse, CHEGA

Petra Pink disse...

Inês: pois mas com essas pessoas não faço terapia porque as conheço... porque de uma forma ou de outra convivem comigo.
Eles querem é confirmar o que desejam e que alguém o faça.
Pink: pois mas eu faço com que percebam.... tipo plim!
Mokinhas: vai te quilhar....
Nina: acredito que saibas... Não não desligo o telemóvel, simplesmente regeito a chamada ou dou desculpa e toca a andar.
Poetic: sim digo não tem de ser!
Brown: pois tens razão....
E sim tem de haver reciprocidade.
beijo a todos!

Petra Pink disse...

Dinona: pois começo a dizer que é pago e tal e pronto lool.
S* sim é isso mesmo, já ando a tratar do assunto...
Ana... sim já não ha pachorra!
Sara* não não mesmo... deixar o gajo a jantar sozinho para ires aturar essas melgas que nem as refeições... Isso não....
Era só o que faltava! beijo a todas.

Tanita disse...

Devias chamar à atenção.
Diz que estás cansada disso, e que para alem de seres psicóloga também és a Petra.
Bj**

oops!!! disse...

Não me defraudas Petra!

És inteligente...

Este registo escrito é já por si só uma técnica terapêutica eficaz...

;)

Petra Pink disse...

Tanita: sim já chamei.... o que é de mais é moléstia.
Oops: Acredito que me entendas!
Obrigada.... Um beijinho aos dois.

Mary Jane disse...

Eu compreendo-te muito bem, mas daí a importância - Não, Espera! - IMPORTÂNCIA (em letras muito grandes), tenho-me vindo a aperceber eu, reles estagiária, de estabelecer muito bem limites desde cedo. Nunca ceder a ser psicóloga familiar, psicóloga dos amigos, psicóloga dos vizinhos, etc, etc, porque mesmo que sejamos naquela vez em que estava tudo muito à rasca e que dava jeito, as pessoas vão assumir que a partir daí vamos dar o jeitinho sempre!

Petra Pink disse...

Mary: o problema é que nunca dei o jeitinho... sou amiga de amigos, e membro da família... Quanto ao tal jeitinho que eu entendo bem... nunca o dei... Nem posso como sabes.
Falo de gente que abusa, por mais que se deixe claro que ao ouvì-los, e ao ter um bocado de paciência, não e não é mesmo uma terapia...
Eles confundem vá-se la meter-lhes o contrário na cabeça lol.
Beijinho!