9 de novembro de 2013

Petra e Mimi por Trás-os-montes

E na semana passada fui até ao norte. Primeiro trabalhar 2 dias no Porto, e de seguida Partimos eu e a minha sister Mimi Rose Para Trás-os-montes. A ideia não era passear muito, pois andamos cheias de trabalho, e apenas quisemos algum tempo para por a letra em dia, comer umas coisinhas boas da terra, matar saudades da família e descansar! E foi tão bom, comer castanhas até ás tantas na companhia dos nossos, bebermos uma garrafa de vinho francês "que a minha mana trouxe de França" (obrigado Tina)! Passear pela nossa aldeia e sentir os cheiros do Outono, Beber um Ponche no café onde comemos gelados e tremoços quando éramos pequenas, Ouvir de novo o nosso sotaque tão forte e ao mesmo tempo doce que nunca perderemos! Perceber enfim que muita coisa não mudou "e ainda bem porque a nossa terra é a nossa terra e visitá-la permite-nos reforçar laços e trazer um pouco mais do que amamos dentro de nós. No regresso vim carregada dos mimos transmontanos que a minha mãe sempre me guarda " castanhas, geropiga, licor de amora, vegetais, frutas do Outono "romãs, nozes, figos secos..." a nossa carne que é a melhor do mundo, o pão centeio a bôla cevada, e claro o nosso queijo curado! Mas Acima de tudo cheguei a casa Contente, porque é tão bom regressar ao sítio onde fomos felizes, e saber que lá podemos continuar a sê-lo. Na nossa aldeia eu e a Mimi Não somos a psicóloga nem a maquilhadora, na Nossa aldeia não somos aquilo que construimos, somos tão somente a S. e a M, as meninas que sempre foram amigas, as meninas que sempre correram juntas pelo monte sujas de comer amoras, as amigas que pisavam vinho no Lagar do D. o primo da Mimi, as irmãs que viveram tanto naquela terra que nos uniu, e que sempre estiveram de mãos dadas, apesar de morarem a 300 km de distância não permitiram que os laços afrouxassem nem deixaram de se orgulhar do que foram um dia, e do que são agora.

8 comentários:

Cantinho da Bê disse...

Sabe tão bem voltar às origens querida. As saudades que me deste do meu Alentejo com as tuas descrições. Só que na minha aldeia do coração já não tenho pessoas, só os cheiros, as cores e as memórias da infância e juventude.

Mariposa Colorida disse...

Sorri ao ler este texto. Sinto sempre isso quando lá vou. Adoro. Eu vivo num lugar como peixe fora de água. É a lá que eu pertenço.

S* disse...

E eu fico mesmo feliz por vocês e por ver essa linda amizade.

S* disse...

E eu fico mesmo feliz por vocês e por ver essa linda amizade.

Vera, a Loira disse...

A amizade é linda. Um beijinho para as duas.

A Minha Essência disse...

Amizades assim, há poucas! Aproveita! ;)

António Jesus Batalha disse...

Estou alegre por encontrar blogs como o seu, ao ler algumas coisas,
reparei que tem aqui um bom blog, feito com carinho,
Posso dizer que gostei do que li e desde já quero dar-lhe os parabéns,
decerto que virei aqui mais vezes.
Sou António Batalha.
Que lhe deseja muitas felicidade e saúde em toda a sua casa.
PS.Se desejar visite O Peregrino E Servo, e se o desejar
siga, mas só se gostar, eu vou retribuir seguindo também o seu.

Petra disse...

Beê, é tão bom regressar.... Eu adoro o alentejo também. beijo
Mariposa: sim só quem visita trás-os-montes sabe o que digo... e acredito que me entendas!
S* Obrigada chuchu!
Loira a amizade é dos melhores bens que temos e devemos cultivar.
Essência: eu sei, obrigada querida!